Repelentes

Repelentes

por Dra. Camille Donnabella


Uma dúvida que sempre surge entre as mães é sobre o uso de repelentes em seus bebês e crianças. Qual usar? Quando usar? O que devo fazer para proteger meu filho contra picadas de insetos que podem gerar desde irritação devido a coceira quanto algumas doenças graves?!

Vamos começar falando sobre a prevenção dos mosquitos:


  • Proteção mecânica: uso de roupas de mangas longas e calças. Preferir os tecidos de trama mais fechada e mais grossos. Evitar roupas escuras pois elas atraem mais os insetos, e evitar as roupas que ficam muito coladas ao corpo pois ela facilitam a picada.
  • Horário: No período do nascer do sol e do pôr do sol as janelas devem ficar fechadas, o que diminui a entrada de muitos mosquitos. Os mosquitos como o Aedes atacam mais durante as primeiras horas da manhã e no final da tarde, possuem uma predileção pelo tornozelo, então atenção, a criança deve ser protegida quando estiver brincando fora de casa.
  • Uso de telas e mosquiteiros. Alguns produtos podem ser utilizados APENAS nas telas e nas roupas, é o caso da Permetrina 0,5% em spray. Esse produto NÃO deve ser aplicada diretamente na pele.
  • Dedetização da casa ajuda a reduzir a quantidade de mosquitos mas deve-se seguir todas as orientações necessárias, principalmente em relação ao tempo de afastamento do local e limpeza após.
  • Repelentes elétricos são úteis para diminuir a entrada dos mosquitos quando colocados perto das janelas e portas. Muito cuidado com os repelentes líquidos que podem ser retirados da tomada pela criança e acidentalmente ingeridos.
  • Realizar a limpeza do terreno da casa e do seu ao redor, assim como retirar o lixo e entulhos evitam a criação de novos mosquitos.


E qual repelente devemos usar em crianças?


No Brasil a recomendação é feita pela ANVISA de acordo com a fórmula de cada produto.

  • Para os bebês de até 2 meses não deve ser usado nenhum repelente, apenas medidas uso de roupas compridas, telas e protetores de tomada.
  • Para os bebês a partir de 2 até 6 meses, a Academia Americana de Pediatria recomenda o uso de repelentes DEET na concentração de no máximo 10%, são seguros desde que usados conforme as instruções. Porém a recomendação brasileira libera o uso a partir de 2 anos. Em caso de dúvidas, pergunte para o seu pediatra.
  • Para os bebês de 6 meses até 2 anos de idade, deve-se usar repelente com IR3535, que protege por cerca de 3-4 horas. Usado em concentrações de 20% é eficaz contra Anopheles e Aedes Aegypti. A AAP libera o DEET máximo 10% nessa faixa etária.
  • Acima de 2 anos os que contém DEET são os mais utilizados. Quanto maior a concentração da substância mais longa é a duração do seu efeito, sem toxicidade relevante. Seguro para as crianças e gestantes também. Outra opção são os repelentes a base de Icaridina, são derivados de pimenta e permite aplicações mais espaçadas que o DEET, com eficácia comparável. Parece ser mais potente contra o Aedes Aegypti quando comparado ao DEET e IR3535, e está liberado para o uso apenas para maiores de 2 anos. Recomendado em concentração de 25% com período de proteção de 8-10 horas.

Sobre o repelente que contém DEET:


A concentração máxima para o uso em criança varia de país para país. A Academia Americana de Pediatria recomenda concentrações de até 30% para crianças acima de 2 anos. Já a Sociedade Canadense de Pediatria preconiza repelentes com até 10% de DEET na faixa etária de 6 meses até 12 anos. E os autores franceses preconizam concentrações de até 30% para as crianças entre 30 meses e 12 anos. Lembrando que a maioria dos repelentes disponíveis no Brasil possuem menos de 10% de DEET. A recomendação feita pela ANVISA no Brasil é que seja usada a partir de 2 anos com concentração máxima de 10% e não reaplicar mais que 3 vezes ao dia.

Outros repelentes naturais como óleos naturais, óleo de andiroba, capim-limão, de soja e outros, podem ser usados porém a eficácia é baixa.

Os produtos que não tem eficácia comprovada são: pulseiras embebidas de produtos químicos, alho ou vitamina B1 tomando por via oral e dispositivos de ultra-som.


Algumas recomendações sobre a aplicação dos repelentes:


  • Nunca aplicar em crianças menores de 2 meses.
  • Nunca aplicar na mão da criança para que elas mesmo espalhe o produto.
  • Respeitar as instruções de uso recomendados pelo fabricante.
  • Não aplicar próximo da boca, nariz, olhos ou sobre machucados, feridas e cortes na pele.
  • Não permitir que a criança durma com o repelente aplicado.
  • Não utilizar produtos que combinam DEET com protetor solar. As pessoas devem utilizar protetor solar e repelente quando estão ao ar livre porém em produtos separados, aplicando primeiro o protetor solar e depois o repelente.
  • A apresentação em loção cremosa é mais segura do que spray e deve ser preferida nas crianças.
  • Assim que não for mais necessário o repelente deve ser retirado com um banho com água e sabonete. As roupas também devem ser lavadas antes de reutilizar.
  • Lavar as mãos após a aplicação e lave as mãos do seu filho também.


Esse foi um pequeno resumo sobre o uso dos repelentes, espero que tenham gostado e qualquer duvida consulte o seu pediatra.

Dra. Camille Donnabella


Residente de Pediatria
R. Bartolomeu Peranovich, 274
Centro, Atibaia - SP, 12940-610
(11) 4412-2525