Febre

Febre

por Dra. Camille Donnabella


Esse assunto está também na lista dos assuntos mais temidos pelos pais e se não for o maior causador de idas ao pronto socorro, está quase lá.

Primeiro de tudo, pais vocês sabem quando considerar a temperatura do seu filho como febre? Consideramos febre temperatura de 37,8o ou mais, e a melhor forma de avaliar a temperatura é com termômetro axilar, certo? Se seu filho está “quentinho” não significa que está com febre, é preciso aferir! E fiquem tranqüilos pois febre interna também não existe. Dra, então toda vez que estiver acima de 37,8o é preciso medicar? E é grave?

Vamos lá, nosso corpo funciona perfeitamente bem, ele eleva a temperatura por algum motivo. A febre em si não é uma doença, ela é apenas um sintoma/ sinal de que nosso organismo está se defendendo de alguma coisa, deixando nosso corpo em estado de alerta. Portanto não é necessário medicar TODA vez que a criança apresenta temperatura igual ou maior que 37,8o. Alguns estudos mostraram que alguns quadros virais que apresentam febre, existe uma recuperação melhor e mais rápida, portanto a febre não é um inimigo e sim um amigo!

Se você medicar com antitérmico qualquer aumento de temperatura do seu filho, você pode dificultar a realização de um diagnóstico pois pode esconder o quadro febril. Portanto precisamos lembrar que o uso de medicação para diminuir a febre serve para aliviar o desconforto que a febre causa, como prostração, mal estar, calafrio, entre outros. E mais importante do que observar a febre, é observar os sintomas que estão associados ao quadro de febre do seu filho, como vômitos, diarréia, dores, aparecimento de manchas na pele, todos esses sintomas juntos, auxiliam no diagnostico correto. Além do uso da medicação quando necessária, realizar compressas e um banho morno (leia-se morno, banho frio ou gelado não são indicados para nenhuma criança, muito menos para as que apresentam febre!) ajudam no mal estar geral causado pela febre, portanto são medidas que podem e devem ser feitas para ajudar as crianças.

Mas Dra, e a temida convulsão?


Podem ficar tranqüilos, a maioria das crianças não convulsiona por causa da febre (a não ser aquelas que tem predisposição para isso), o que pode fazer a criança convulsionar é a variação brusca da temperatura em um intervalo curto de tempo.


Entendidas essas questões vamos a alguns alertas importantes:


  • Quando seu filho apresentar febre, é importante que você o mantenha hidratado, oferecendo bastante liquido durante o dia e para aqueles que mamam, ofereça o peito com mais freqüência.
  • Em relação as vacinas, não é indicado dar medicação para febre ANTES de realizar a vacina, pois pode atrapalhar o processo de proteção imunológica. Você não estará ajudando seu bebê fazendo isso.

E o momento mais aguardado, quando levar ao pronto socorro ou pedir ajuda?


  • SEMPRE que você estiver em duvida sobre o estado geral do seu filho, e isso não é diferente quando relacionado a febre.
  • Se o seu filho tem menos de 1 mês e apresenta quadro de febre, levar imediatamente para avaliação médica.
  • Se a febre se prolongar por mais de 72h (3 dias) e os intervalos entre as febres não se prolongar.
  • Se o seu filho apresenta uma respiração diferente, dificuldade para respirar ou se está cansado.
  • Lembrando que o nascimento dos dentes não causam febres altas, tem um post no blog só sobre esse assunto.


Espero ter esclarecido algumas dúvidas para vocês, lembrando que os textos não substituem uma consulta e que em caso de dúvidas sobre o estado do seu filho, o médico deve ser consultado.
Até a próxima.

Dra. Camille Donnabella


Residente de Pediatria
R. Bartolomeu Peranovich, 274
Centro, Atibaia - SP, 12940-610
(11) 4412-2525