Bronquilite Aguda

Bronquilite Aguda

por Dra. Camille Donnabella


Hoje vamos falar de um tema que preocupa bastante os pais e incomoda muito os nossos bebês, a famosa bronquiolite! Você sabe o que é?

Bronquiolite é uma infecção viral que afeta os pulmões do bebê, gerando uma tosse quase constante, febre geralmente abaixo de 39 e o famoso chiado no peito. É muito importante ficar atento a essa doença pois muitos casos necessitam de internação hospitalar pois gera desconforto respiratório no bebê que precisa de suporte de oxigênio para respirar com mais facilidade.

A bronquiolite afeta a parte mais delicada do pulmão dos bebes, os bronquíolos. Essas estruturas são a continuidade dos brônquios, que distribuem o ar para dentro dos pulmão, ou seja, se ela está comprometida, o ar que deveria chegar aos pulmões apresenta uma dificuldade para chegar e por isso o bebê precisa fazer ‘força’ para respirar e permitir que o processo aconteça.

Tudo isso geralmente é causada pelos vírus respiratórios. O principal deles o Vírus Sincicial Respiratório, mas também outros como adenovírus, parainfluenza, influenza, rinovirus, entre outros que geram essa inflamação aguda, edema, aumento da produção de muco (catarro) e o broncoespasmo (falta de ar).

Como o principal causador é um vírus, o quadro se inicia como um resfriado comum, apresentando obstrução nasal, coriza clara, tosse, febre baixa, recusa das mamadas e irritabilidade (que varia de criança para criança). Em um ou dois dias o quadro evolui de forma mais intensa, para um tosse mais forte, dificuldade para respirar, respiração rápida e o chiado (que nós, médicos, chamamos de sibilância). Os sintomas duram em torno de 1 semana, sendo que a tosse pode durar mais tempo e geralmente é a ultima a ir embora.

Quais crianças apresentam mais risco para desenvolver a bronquiolite?


As crianças mais novas (menores de um ano, principalmente menores de 3 meses), os prematuros, os portadores de doenças cardíacas ou de doença pulmonar crônica (broncodisplasia), os imunodeficientes e os bebes que apresentaram baixo peso ao nascer. Esses bebes também possuem maior risco de desenvolver quadros de bronquiolites mais graves e que necessitam de internação e algumas vezes na UTI.

Mamães e papais fiquem atentos aos sinais de alarme do desconforto respiratório do seu bebê:

  • Quando não esta mamando bem ou deixa de se alimentar por causa do cansaço
  • Quando apresenta irritação excessiva, mesmo sem febre encontra-se caidinha ou com gemência.
  • Criança que está fazendo força para respirar: observar a barriguinha do seu bebe, se ela está afundando junto com o tórax no momento da respiração, ou a região logo abaixo do pescoço, chamada de fúrcula, estiver afundando ou se o nariz do seu bebê tenta abrir mais para conseguir respirar melhor.
  • Baixa oxigenação nos pulmões, que é vista através de um aparelho no hospital que mede a saturação do bebê.
  • Criança respirando muito mais vezes por minuto do que o normal, ou seja, com a freqüência respiratória aumentada para a idade.


Caso você identifique alguma dessas situações, ou se estiver na duvida sobre o estado do seu bebê, procure atendimento médico!

Como é feito o diagnóstico?


O diagnostico da bronquiolite é essencialmente clínico, de acordo com a historia contada pelos pais e através do exame físico realizado pelo pediatra. O raio x, o hemograma e a pesquisa do vírus respiratório são feitos geralmente para aqueles bebês que ficarão internados, podendo ser usado para diferenciar de outras possíveis doenças como pneumonias e também para acompanhar o quadro.

Como é feito o tratamento?


Quando o tratamento não necessita ser hospitalar, existem algumas medidas que podem ser tomadas em casa para ajudar a aliviar o incômodo gerado pela bronquiolite.

A primeira delas é a hidratação, ofereça mais água e líquidos do que normalmente é oferecido para o seu bebê, isso ajuda muito pois a doença gera perdas insensíveis de água que agravam os sintomas e que geram desidratação, podendo piorar ainda mais o quadro respiratório.

Realizar inalação com soro fisiológico é fundamental no tratamento da bronquiolite pois ajuda a umidificar as vias aéreas e eliminar a secreção. Quanto mais melhor!

Lavagem nasal com soro fisiológico é outro artifício fundamental, pois os sintomas de obstrução nasal costumam incomodar bastante os bebês, que respiram predominantemente pelo nariz! Nesse momento vale tudo, seja com a seringa, com conta gotas ou em jato, o importante é lavar no mínimo 10 vezes ao dia o nariz do seu bebê.

Uma dica que ajuda muito, principalmente os bebês que não conseguem assoar o nariz, é utilizar o sugador nasal. Esse deve ser utilizado com mais cautela, pois pode machucar o nariz do bebê, então recomendamos no máximo 4 vezes ao dia. Caso o seu médico tenha avaliado e receitado algum tipo de tratamento medicamentoso para o seu bebê, é importante que o faça corretamente! Não faça uso de nenhuma medicação que não tenha sido receitada pelo pediatra.

E como podemos evitar que nossos bebês tenham bronquiolite?


O segredo é a prevenção! Algumas medidas simples e eficazes nos cuidados com o bebê podem portegê-lo dos quadros de bronquiolite, que são:

  • Evitar o contato com crianças e adultos resfriados.
  • Lavar as mãos e usar álcool gel para prevenir a disseminação da doença.
  • Aleitamento materno é uma medida muito eficaz na prevenção, e também diminui em um terço o risco de hospitalização por infecção do trato respiratório inferior.
  • Não fumar! Bebês que convivem com tabagistas tem maior risco de desenvolver bronquiolite.
  • Vacina contra influenza. Pode ser realizada nos bebês acima de 6 meses, converse com o seu pediatra sobre a vacina.
  • Nao freqüentar espaços lotados, com aglomerações.
  • Palivizumabe: É um anticorpo monoclonal humanizado contra o Vírus Sincicial Respiratório (VSR) que pode beneficiar as crianças com fatores de risco para bronquiolites (prematuros com menos de 29 semanas, aquelas com diagnóstico de doença pulmonar crônica e cardiopatas graves).
  • Finalmente, levar a crianças para as consultar regulares com o pediatra!

Espero que tenham gostado! Lembrando que nenhuma informação dada por aqui substitui a consulta médica! Se houver dúvida o médico deverá ser consultado.

Dra. Camille Donnabella


Residente de Pediatria
R. Bartolomeu Peranovich, 274
Centro, Atibaia - SP, 12940-610
(11) 4412-2525